Grosseria NÃO é AMOR!

Passei 3 dias em uma casa com mais de 20 pessoas. Isso foi nesse final de semana passado.

Nossa igreja fez um retiro para os jovens passarem mais tempo juntos, o que foi maravilhoso.

Maaaaaas…

O retiro começou com muitos sorrisos e muita empolgação, porém do meio para o fim todos estávamos trantando uns aos outros com patadas e grosserias e ainda dizíamos “você sabe que eu falo assim, mas eu te amo!”

Eu dei muitas dessas patadas e fui muito grossa com muitas pessoas… admito!

No final, no último momentos durante o almoço de domingo, nós nos demos conta e percebemos que aquilo não estava certo, que algo precisava mudar.

Uma amiga disse algo incrível, ela disse: -Quando destratamos nosso irmão, nosso amigo, alguém próximo ou não tão próximo de nós, isso não mostra que aquela pessoa é chata, irritante ou que faz algo de errado, isso mostra o quanto precisamos melhorar, pois isso denuncia o NOSSO pecado. Quando sou grosseira com alguém isso mostra que EU não tenho paciência, não que aquela pessoa é irritante.

ISSO É TÃO VERDADE!

Todos temos dias ruins, isso é fato. Uma hora ou outra vamos acabar descontando em alguém a nossa raiva ou frustração, mas não significa que está certo fazer isso.

Nós precisamos ser tratados em nosso caráter e devemos trabalhar/assumir as nossas dificuldades e defeitos.

Quando alguém fala algo menos inteligente ou fora de contexto, isso não te dá o direito de se sobrepor àquela pessoa, nem te dá o direito de maltratar.

Devemos ser conformados à imagem de Cristo: compassivos e misericordiosos, lentos para se irar e cheios de amor. (Salmo 103:8)

No momento em que entendemos a misericórdia de Deus, entendemos que Jesus morreu em nosso lugar, mas também viveu a vida que era pra vivermos.

Se Jesus, o Rei do Universo, o Senhor de TODAS as coisas teve misericórdia de mim, se colocou no meu lugar, me entendeu e me perdoou, quem sou eu para não fazer o mesmo pelo meu irmão?

Se Jesus, quando ofendido, continuou caminhando para a cruz e se ENTREGOU por mim ao invés de responder as ofensas à altura que mereciam, quem sou eu para não perdoar uma simples palavra mal dita ou mal direcionada?

Precisamos repensar os nossos princípios e os nossos valores..

Quando rebatemos uma ofensa, quando falamos algo para rebaixar alguém ou apenas para “mostrar que somos inteligentes” estamos sendo, de fato, cristãos? Estamos vivendo o amor que tanto dizemos possuir em Cristo? Ou estamos sendo apenas mais um na multidão que grita: “crucifique-o”?

Grosseria não é amor, maltrato não é amor.

Gentileza é amor, paciência é amor, PERDÃO é amor.

Ande como o AMOR andou, seja fiel ao CAMINHO. Busque ser como JESUS.